Páginas

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Boas Festas!



Aos amigos quero agradecer a palavra partilhada, o afeto demonstrado, o sorriso cativado com as virtudes que só a amizade pode conquistar.
FELIZ NATAL!

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

MEU ANIVERSÁRIO 19/12



Estou em estado de graça. Motivo? Celebrar o aniversário em meu lar com alguns amigos: Fabiano Costa, Charles Neres, Rubens Nascimento, Paulinha Cristina, Marisa Casalle e cia, Simone Alauk, Débora Matos Alauk, Cláudio Alves, Aline Neves, Ivan Cardoso, Márcio Ricardo. O melhor presente é estar presente.

MUITO OBRIGADO, Senhor! Agradeço o empenho da minha família, por todos os que vieram e aos que não puderam comparecer, mas que, de alguma forma, manifestaram votos de felicidade pra mim.
"A gratidão, com certeza, é uma virtude do céu." - Pe. Cícero Romão Batista








segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Arena Pernambuco

Participei da gravação desse comercial. Uma produção realizada em parceria entre Squint Opera e Bonita Produções. Veja:


domingo, 16 de dezembro de 2012

Homenagem dos meus alunos

Esse último bimestre foi de muito aprendizado. Ano que consolidou o ofício de docente no curso de recepcionista de eventos Senac. Receber o reconhecimento dos alunos, com um discurso cheio de carinho, me deixa convencido de que vale a pena, quando a alma não é pequena. Desse modo, quero partilhar o discurso dos alunos:

Prezados colegas, 

Hoje encerramos um clico de nossas vidas, para que outros ciclos recomecem. 
Se estamos  hoje celebrando essa conquista, devemos grande parte dela a nossos pais, amigos, familiares e, principalmente, ao André. 
O que posso falar a respeito do André? Poderíamos elogiar a sua formação. Poderíamos falar do método particular que ele tem ao lidar com cada um. Poderíamos falar das frases que nos farão lembrar dele para sempre: "força e coragem... você consegue!

Poderíamos falar das inúmeras culturas e personalidades que ele nos apresentou durante as aulas, as viagens que fizemos sem sair do lugar, os filmes, os livros, as músicas e até os exercícios de alongamento. 
Poderíamos falar do quanto nos ajudou a resolver diferenças em sala de aula. 
Mas jamais poderia esquecer de como ele foi um pouquinho de tudo para todos nós, nesses últimos meses:
- Nossa família, quando passou boa parte do dia ao nosso lado e ainda nos aconselhou. 
- Nosso amigo, quando compartilhou nossas conquistas e torcia por nós. 
- Nosso sacerdote, quando nos auxiliou a restaurar a fé em nós mesmos e nossa capacidade de aprender. 
- Nosso arquiteto, ao nos transmitir seus conhecimentos; construir parte do nosso saber. 
- Nosso empregador, quando nos ensinou como devemos ser no atual e competitivo mercado de trabalho. 

Certamente foi nosso professor que, além de ensinar, nos fez pensar, questionar, a viver sempre em busca do conhecimento, porque ele nunca é estanque ou esgotável. Essa atitude nos remete à frase do pensador chinês, Kwantzu, que disse o seguinte: "quem planeja em curto prazo, deve cultivar cereais; em médio prazo, plantar árvores; em longo prazo, ensinar pessoas."  

Resumindo: o André foi um exemplo para todos nós. Investiu em nós mesmos e, tal como outro provérbio chinês, do sábio Confúcio: "diga-me e eu esquecerei. Mostre-me e eu talvez me lembre. Envolva-me e, então, eu compreenderei." Foi esse envolvimento que o André, à sua maneira, de forma especial, contribuiu com a nossa caminhada. Por isso, sempre estará guardado em nossos corações e em nossas memórias. 

É com grande satisfação que agradecemos o seu empenho, para que caminhássemos e, com a benção de Deus, seguiremos na estrada da vida como amigos fortalecidos pela troca de conhecimento e amizade. 
Obrigada por tudo! 



terça-feira, 27 de novembro de 2012

Amanhecer o amanhã

"O amanhecer disse ao sono que a esperança está aqui
Despertando a certeza escondida logo ali
É de sonhos que destinos são marcados pela fé 
O amanhã é presto embarque pra chegar aonde se quer." 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Festival do Livro e da Literatura de São Miguel

Novembro é o mês marcado com o movimento literário em São Miguel Paulista, bairro da zona leste de São Paulo. Duas figuras abrilhantaram o primeiro dia do evento: Jorge da Cunha Lima, jornalista, escritor e presidente do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta/TV Cultura, e Fernando Bonassi, autor dos livros "O menino que se trancou na geladeira", "O céu e o fundo do mar" e roteirista do longa "Castelo Rá-Tim-Bum - O Filme". O encontro com os dois aconteceu no auditório da Universidade Cruzeiro do Sul. Eles debateram o tema "Literatura e Mídia", sob mediação de Daniel Reis, produtor e jornalista do livro e documentário "Face Leste".         

Sabatinados por alunos de escolas públicas, foi discutida a hegemonia e segmentação da televisão brasileira e a diferença com o cinema. Segundo Fernando Bonassi, o cinema distingue-se por ser mais provocativo. 
Além das conversas com escritores, a quarta edição do festival do livro se destaca por causa da troca de livros, declamação de poemas e, em algumas árvores do bairro, livros pendurados como frutos para serem retirados, lidos e levados para casa. Tudo acontece gratuitamente na praça Fortunato da Silveira, mais conhecida como Morumbizinho, situada em frente à universidade. 
O festival é uma iniciativa cultural da Fundação Tide Setúbal em parceria com diversas instituições da cidade. Vale a pena conferir!  

http://www.ustream.tv/recorded/26819060

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2012/11/08/regiao-leste-de-sp-tem-festival-com-arvores-de-livros-e-palestra-de-pedro-bandeira.jhtm

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Frases históricas no julgamento do mensalão

Para o Supremo Tribunal Federal, ficou comprovada a existência do mensalão - esquema de compra de votos de parlamentares (25 condenados) para dar apoio ao governo Lula no Congresso Nacional - e que dinheiro público foi usado para abastecer o esquema. O veredicto pesou sobre José Dirceu, homem forte do primeiro governo Lula e o seu núcleo político.
11 ministros, 38 réus, dezenas de advogados. No dia 2 de agosto deste ano começava o julgamento do mensalão, no qual gerou frases históricas pronunciadas por alguns ministros no plenário do Supremo Tribunal Federal:

Carmem Lúcia

Carmem Lúcia - ministra do STF
"Acho estranho e muito, muito grave que alguém diga com toda tranquilidade que, ora, houve caixa 2. Caixa 2 é crime. Caixa 2 é uma agressão à sociedade brasileira. Caixa 2 compromete, mesmo que tivesse sido isso, ou só isso, e isto não é só, e isto não é pouco. E dizer isto da tribuna do Supremo Tribunal, ou perante qualquer juiz, me parece realmente grave. O que fica parecendo que ilícito no Brasil pode ser praticado, confessado e tudo bem." 

"O dinheiro é para o crime o que o sangue é para a veia. Ou seja, se não circular com volume e sem obstáculo não temos esquemas criminosos como estes." 

"Corrupção significa não que alguém foi furtado de alguma coisa, mas significa que uma sociedade inteira foi furtada... pela escola que não chega, pelo posto de saúde que não se tem. E eu acho que esse julgamento dá, exatamente, o testemunho de que, no estado de direito, a política é, sim, necessária pra qualquer lugar deste planeta." 



Carlos Ayres Britto

Carlos Ayres Britto - presidente do STF
"Esses fatos estão com as vísceras expostas, eles gritam. Cegar para essa realidade é golpear a própria sociedade." 

"Nenhum juiz verdadeiramente digno de sua vocação condena ninguém por ódio." 





Luiz Fux 

Luiz Fux - ministro do STF
"A entidade bancária serviu de uma verdadeira lavanderia de dinheiro pra se cometer um crime que não está nem na lei, mas esse deveria ser o nome: Gestão tenebrosa. Pelos riscos que acarreta e pelas consequência que acarreta à economia popular."




Celso de Mello

Celso de Mello - ministro do STF
"Agentes públicos que se deixam corromper, qualquer que seja sua posição, são eles corruptos e corruptores, os profanadores da República, os subversivos da ordem institucional. São eles os delinquentes marginais da ética do poder.  

"O estado brasileiro não tolera o poder que corrompe e nem admite o poder que se deixa corromper..." 

"Este processo criminal revela a face sombria daqueles que, no controle do aparelho de Estado, transformaram a cultura da transgressão em prática ordinária e desonesta de poder." 




fonte: transcrição a partir da reportagem publicada no Jornal Nacional - 23/10/2012

domingo, 14 de outubro de 2012

Ensaio sobre a amizade - relembrar

No dia 1º de outubro de 2010 postei um texto da admirável escritora Lya Luft. Acho por bem relembrar. 

“Ensaio sobre a amizade” (Lya Luft) - Veja, 26 de junho de 2006


Que qualidade primeira a gente deve esperar de alguém com quem pretende um relacionamento? Perguntou-me o jovem jornalista, e lhe respondi: aquelas que se esperaria do melhor amigo. O resto, é claro, seriam os ingredientes da paixão, que vão além da amizade. Mas a base estaria ali: na confiança, na alegria de estar junto, no respeito, na admiração. Na tranquilidade. Em não poder imaginar a vida sem aquela pessoa. Em algo além de todos os nossos limites e desastres.


Talvez seja um bom critério. Não digo de escolha, pois amor é instinto e intuição, mas uma dessas opções mais profundas, arcaicas, que a gente faz até sem saber, para ser feliz ou para se destruir. Eu não quereria como parceiro de vida quem não pudesse querer como amigo. E amigos fazem parte de meus alicerces emocionais: são um dos ganhos que a passagem do tempo me concedeu. Falo daquela pessoa para quem posso telefonar, não importa onde ela esteja nem a hora do dia ou da madrugada, e dizer: "Estou mal, preciso de você". E ele ou ela estará comigo pegando um carro, um avião, correndo alguns quarteirões a pé, ou simplesmente ficando ao telefone o tempo necessário para que eu me recupere, me reencontre, me reaprume, não me mate, seja lá o que for.

http://andrelossio.blogspot.com.br/2010/10/ensaio-sobre-amizade-lya-luft.html

sábado, 13 de outubro de 2012

Monteiro Lobato na mira do MEC

Caçada de Pedrinho, obra literária do escritor Monteiro Lobato, está dando o que falar. A discussão é por causa da tentativa de veto na distribuição do livro às escolas públicas, depois da denúncia formalizada pelo Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara), junto ao Conselho Nacional de Educação (CNE) e o Ministério da Educação (MEC). O instituto considera racista o termo usado pelo escritor quando diz que "Tia Anastácia subiu na árvore como uma 'macaca de carvão'." A censura tem dividido opiniões, como a de professores que não concordam e alegam que esses tipos de assuntos podem ser abordados em sala de aula. Entretanto, Humberto Adami, advogado e diretor do Iara, declarou à revista Veja que está disposto a buscar outros recursos na Corte Interamericana, caso a proibição do livro não seja atendida.  
Em nota oficial divulgada no mês passado, o MEC ressalta que "defende a plena liberdade de ideias e o acesso a produções culturais e científicas com a mediação de um professor." 
Ao ser entrevistada pela revista, a socióloga Marcilene Gardia de Souza rebate: "assuntos como esse só gera mais preconceito, pois os professores não sabem abordar o conteúdo com olhar crítico... há décadas, o movimento social negro tem reivindicado isso. Justamente porque muitos livros ainda reforçam estereótipos sobre as populações negras e negam a importância de processos históricos de resistência na formação do Brasil", conclui.

Estereótipos existem nas relações humanas. Mas, nesse caso, o termo usado por Monteiro Lobato pode ser considerado como uma força de expressão sem cunho racista. A palavra escrita, muitas vezes, pode ser mal interpretada, ter vários sentidos. Diferente da oralidade, que revela as intenções com variadas inflexões da voz. "Negrinha", "preta", "marrom bombom" são expressões que dependem da forma como são ditas. FORMA: essa é a palavra a ser compreendida dentro de um contexto num texto. É uma linha tênue e depende de circunstâncias. Forma ofensiva, pejorativa, carinhosa, etc. Tudo depende da interpretação, da leitura que se faz do autor. Subestimar o leitor de senso crítico é um erro ao achar que levará ao pé da letra. 
Debater é saudável. Contudo, proibir obras literárias que nos traz elementos históricos, como as de Monteiro Lobato, é tolice.    

terça-feira, 18 de setembro de 2012

ESSÊNCIA DA FÉ - Essence of the Faith - L'essence de la foi

Inquieto por causa de três palavras que ressoaram em mim,
as guardei e resolvi materializá-las em imagem.


Amor e Dor: essência da FÉ.






Restless because of three words that resonated in me, I decided to turn them into picture.

Love and pain: essence of the faith.


En raison de trois mots qui ont résonné en moi, j'ai décidé de les transformer en image.
L'amour et la douleur: l'essence de la foi. 

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Lá vem o sol...



"Lá vem o sol... e antes que ele cumpra sua via faço do prelúdio um farol de desejo de bom dia." André Lossio

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Marta Suplicy e o desafio no MinC

O desafio de Marta com o orçamento apertado do MinC
Agora com a demissão de Ana de Hollanda do Ministério da Cultura pela presidente da república Dilma Rousseff, colocando no lugar a senadora Marta Suplicy, resolvi lembrar que em janeiro deste ano fui convidado a participar do I Encontro Paulista de Pesquisadores da Cultura, realizado na  EACH - USP (Escola de Artes, Ciências e Humanidades de São Paulo). Lá foram revelados novos dados e políticas culturais do Brasil. Dentre os diversos trabalhos apresentados, a minha pesquisa acadêmica esteve presente, que foi sobre cultura nos quatro cantos periféricos da cidade paulistana, onde realizei reportagem no documentário Luther Blisset: cultura nos extremos de São Paulo. O encontro na USP surpreendeu, porque rompeu limites territoriais com a participação de pesquisadores de outros estados brasileiros. Ou seja, há uma expressiva mobilização de entidades acadêmicas, do poder público e da sociedade civil para com a cultura. Os valores culturais do nosso país são intangíveis mas o empenho dos que colaboram com as políticas culturais no País são constatados como, por exemplo, os Pontos de Cultura.  
Cabe a nova ministra Marta Suplicy estudar e aliar-se aos que promovem a identidade cultural. A porcentagem que o governo federal destina ao MinC é muito estrangulada, comparada com a verba de outros ministérios. O orçamento da União destinado ao ministério, agora assumido por Marta, é o grande desafio. 1% é evidentemente um absurdo!

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Ética e sucesso no mundo corporativo




Avenida Paulista - São Paulo
Em um mundo cheio de informações, cheio de exigência por excelência, por rapidez nas decisões, flexibilidade de espaço e tempo, pró-atividade na área atuante, foco nos resultados nem sempre são motivos suficientes para se obter sucesso. Aliás, é essa a palavra que mais se faz presente na mente de qualquer profissional ou empreendedor no mundo dos negócios. A competitividade é algo que não se faz ausente dentro das exigências do que chamamos de mercado. Entretanto, o desempenho de qualquer pessoa, dentro da suas atribuições na empresa, consiste em observar algo muito almejado: a liderança.
O que é liderança? Saber mandar em pessoas? Impôr sua opinião ou decisão sobre os outros? Bem, esse é o cuidado que se deve ter. Se pensarmos um pouco mais, a liderança é fruto do exercício da ética. E o que é ética? Segundo Mário Sérgio Cortella, filósofo e professor da PUC-SP - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), define de forma objetiva seu significado:
Ética é o conjunto de valores e princípios que usamos pra decidir três grandes questões da vida: quero, devo, posso. E quais são os princípios que se aplicam? Tem coisas que eu quero mas não devo. Tem coisas que eu devo mas não posso. Tem coisas que eu posso mas não quero. E quando se tem paz de espírito? É quando aquilo que se quer é o que pode e é o que você deve. Isso se define em princípios da sociedade, do modular, preservar sendo religiosos ou não. Define através de normatizações.
Como exemplo, há um tempo atrás, o ato de fumar em um ambiente fechado era algo comum, mesmo com a utilização de placas de restrição. Hoje é mais consensual o saber que a prática do fumo é mais banido e motivo de incômodo sem a necessidade de constar algum comunicado. Ou seja, a ética vai se construindo com atitudes. Cortella ainda exorta que não existe ninguém sem ética. O profissional que frauda, o funcionário que engana tem uma ética que é contrária. É anti ético. E em consequência, de forma imprescindível e inseparável, associa-se a uma outra palavra: moral. Ela que é a prática de uma ética. Ética é princípio e moral é a prática. Exemplo: tenho um princípio ético de não pegar algo que não me pertence. Meu comportamento moral é se eu roubo ou não. O princípio se traduz numa moral que pode ser entendida, de acordo com uma época ou lugar, como imoral. Ou incorporada como algo absolutamente normal e parte da cultura. Portanto, não é que a ética é relativa, e sim, a moral que é relativa. A ética é sempre de uma época, de um grupo.
Capa do best seller "O monge e o executivo"
Em um dos escritos, na carta do apóstolo cristão Paulo, destinada ao povo grego de Corinto, diz que "tudo me é lícito mas nem tudo me convém". Isso ajuda observar e compreender como se comporta um povo, uma instituição, empresa com suas normas e princípios, o código de conduta.
Segundo autor do livro "O monge e o executivo", John C. Maxwell, esclarece algo muito importante só que, muitas vezes, não é observado por alguns no dia a dia, isto é, a conduta. Que a verdadeira liderança se conquista através dos gestos, atitudes. Capazes de dizer muito mais que palavras. E distingue o que é ser chefe e o que é ser líder. O chefe se utiliza do poder para mandar, impor. O líder naturalmente é observado, admirado e eleito. Ele é capaz de envolver, conquistar e influenciar pela coerência entre o dizer e o fazer.
Na história da humanidade, diversos personagens conquistaram grandes lideranças por conta do servir. Menciona Jesus como a maior figura de liderança do que se tem conhecimento. Onde não se utilizou da força nem de imposição. Ensina que “quem quiser ser o maior seja o menor”. Não veio para ser servido mas servir aos outros.
Já na Grécia antiga, Alexandre, responsável pelas conquistas territoriais na Europa e regiões mediterrâneas, por conta da sua atenção servida a cada membro de sua tropa, foi tido como ‘O Grande’.
No século XX, Martin Luther King, famoso pastor americano que, não só por possuir nobreza em seu sobrenome, foi responsável pela luta do movimento negro em prol da igualdade de direitos. Com a prática do olhar, do escutar, de dar atenção e entender seus anseios e dos outros, contagiou e ainda contagia muitos com seu discurso idealista por sede de justiça:
“I have a dream”.
Ética, essencialmente, é a forma de ser, de costumes, hábitos e, nos dias de hoje, uma empresa somente se consolida e tem sucesso de acordo com a atenção dada ao seu maior patrimônio: a pessoa do profissional.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Da janela...




"Da janela lá vem ela que se faz anunciar ... 
Quem adentra não é ela, mas sou eu com grato olhar." (André Lossio)



quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Amor de Neto - segundo Celso de Souza Júnior

It would be amazing if we could be physically close to everyone we love, specially when they are going through difficult times, unfortunatelly that is not always possible. But I have no doubt that we can carry them inside of our heart no matter where we are. No words to express my love to this woman who always put a smile on my face. I love my gramma. 

Seria fantástico se pudéssemos estar fisicamente perto de todos que nós amamos. Especialmente quando eles estão passando por momentos difíceis que, infelizmente, nem sempre é possível. Mas eu não tenho dúvida de que podemos levá-los para dentro do nosso coração, não importa onde estamos. 
Não há palavras para expressar o meu amor a esta mulher que sempre coloca um sorriso no meu rosto. Eu amo minha avó. (Celso de Souza Júnior)

Dona Rita e seu neto Celso


Suas palavras são tão sábias que me emociono por tal sentimento para com sua avó. Realmente a nossa "vozinha" é uma grande mulher e digna de todo o nosso respeito. Sou testemunha do papel que ela representa em sua vida, Celso. É por isso que eu digo: 
UMA SIMPLES CITAÇÃO DA SAUDADE TRAZ, PRA PERTO, QUEM ESTÁ LONGE.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

EU e o NÓS - Pe. Zezinho Scj

É incrível como o poder das palavras tocam o coração. Principalmente quando vem de alguém coerente, que zela pela essência da fé embasada com ciência. Numa noite da cidade paraibana Campina Grande, Padre Zezinho realizou um show em comemoração aos seus 45 anos de canção. Por considerar valorosa, transcrevi um trecho de sua fala, pois nos alerta como trilhar o caminho da verdadeira paz. Se muitos tivessem sapiência assim, a humanidade seria bem melhor. Ele fala desse jeito:

Pe. Zezinho: O Senhor esteja com vocês!
Público: Ele está no meio de nós.
Pe. Zezinho: vocês têm certeza?
Público: temos!
Pe. Zezinho: Será que não está só lá fora?
Público: não!
Pe. Zezinho: Ele veio junto?
Público: veio!
Pe. Zezinho: "Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome"... ?
Público: ...lá eu estarei!
Pe. Zezinho: que Aquele que está entre nós, que se fez shekinah, que se fez presença onde quer que haja um coração fraterno nos guias da noite. Eu desejo a vocês um bom show.

Pe. Zezinho: 
Eu vou me basear em 4 livros para esta noite.
Primeiro: A encíclica Caritas in Veritate – a caridade não fingida. A caridade dentro da verdade. Do Papa. Acabou de sair.
O outro será o livro “Sal da terra”, que são catequeses do Papa Bento XVI.
O outro é Dio e il Mondo – Deus e o Mundo - é a continuação dessas catequeses.
E um dos outros livros que eu vou usar é de Carl Sangel - um ateu muito gentil, muito verdadeiro e que me ensinou muito a procurar Deus com suas perguntas. Ele foi um dos consultores da NASA e o último livro dele chamava-se “Bilhões e Bilhões”. Astrônomo. Foi este homem que me abriu os olhos para uma cosmologia cristã, mesmo sendo ele ateu.
Portanto, esta noite eu falarei de temas de um ateu e de um Papa. Para que nós católicos aprendamos a abrir nossos olhos e ouvir os outros. Nosso eu é muito pequeno. Se formos falar só de nós, não vamos muito longe. Porque nosso eu, por mais megalomaníaco que seja, é pequeno. A grande palavra é “Nós”. Nós humanidade. Nós, Brasil. Nós, Paraíba. Nós, Campina Grande. Nós, família. Nós, marido e mulher. Nós, pais e filhos.
A palavra Eu, toda vez que é usada com egoísmo fica menor ainda. E onde há Eu demais, há Deus de menos. Onde há Eu pequeno, a noção de Deus cresce.
Esta noite eu quero falar do nosso pequenino Eu, que é um no meio de quase 7 bilhões de seres humanos. Essa noite eu quero falar do nosso Eu que se transforma num grande NÓS. Por isso que os católicos, na missa, quando o padre diz: o senhor esteja com vocês, não respondem "Ele está dentro de mim". Nós respondemos: Ele está no meio de nós. Esta noite, imagine esta cidade aqui ao fundo, com uma grande palavra: Nós. Eu não sou mais importante do que Nós. Porque Eu vim de dois erros que formaram um Nós. Nós família. Participo de uma família onde há 5 ou 6 pessoas formando Nós e todo egoísmo é perigoso. Se alguém, portanto, quiser construir a paz vai ter que sair de si, porque se não nunca será esposa, nem marido, nem pai, nem mãe. Esta noite o show vai chamar-se "Graça armazenada". E a primeira canção: Quis a Tua paz.



Quis a Tua paz pra mim
Mas a paz que eu te pedi não vinha
Quis o Teu milagre para mim
E o milagre que eu pedi não vinha
Quis a paz pro meu irmão
Perdoei e fui pedi perdão
Fiz reparação pelos males que eu lhe fiz
Quis meu povo mais feliz

Tão feliz ou mais feliz do que eu
E, então, a Tua paz aconteceu

E agora eu digo que valeu ter fé
E esperar
Pra descobrir que a tua paz
Está ligada ao verbo amar.




Ps: Se todos tivessem amor assim, a humanidade seria bem melhor.

Coração - segundo José Saramago.



"Se tens um coração de ferro, bom proveito. 
O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia."

José Saramago

sábado, 11 de agosto de 2012

Simplicidade - segundo Mário Quintana


"Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade." (Mário Quintana)

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Simplicidade - segundo Martha Medeiros

Acho graça o modo simples como a jornalista e escritora Martha Medeiros enxerga a vida. Outra vez, publiquei um de seus textos sobre a "Elegância do Comportamento". Repercutiu positivamente entre o meu ciclo de amizade, devo confessar. Por estarmos numa sociedade cada vez mais midiática, bombardeados de informações, os ditos e não ditos nos ofuscam a descobrir o essencial. É por isso que compartilho esse sóbrio pensamento. Vale a pena ler!






"Cada semana, uma novidade. A última foi que pizza previne câncer do esôfago. Acho a maior graça. Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere... 

Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos. 

Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde. 

Prazer faz muito bem. 
Dormir me deixa 0 km. 
Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha. 
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos. 
Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias. 
Brigar me provoca arritmia cardíaca. 
Ver pessoas tendo acessos de estupidez me 
embrulha o estômago. 
Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano. 
E telejornais... os médicos deveriam proibir - como doem! 
Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, 
faz muito bem! Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada. 
Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde! 
E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda! 
Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna. 
Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau! 
Cinema é melhor pra saúde do que pipoca! 
Conversa é melhor do que piada. 
Exercício é melhor do que cirurgia. 
Humor é melhor do que rancor. 
Amigos são melhores do que gente influente. 
Economia é melhor do que dívida. 
Pergunta é melhor do que dúvida. 
Sonhar é melhor do que nada! "

domingo, 5 de agosto de 2012

Graça da Gratidão

A gratidão é o melhor remédio pra curar a dúvida do que é bem viver.  
Meus padrinhos sentados, acompanhados de sobrinhos
Hoje pude experimentar o poder do encontro com o reencontrar, que é ainda melhor. 
Este fim de semana reencontrei familiares, que não via há tempos, na festa de aniversário da minha madrinha de batismo. 
O caminho para chegar ao local da comemoração foi interessante. Notei e comentei algo nunca antes feito: pela primeira vez, assumi a direção do automóvel com a presença da minha mãe, pai, irmã e primo. Confesso que pairou um sentimento de total responsabilidade e alegria. Ao chegar, esse encontro natalício veio acompanhado da saudade. Saudade da infância, saudade da juventude, saudade dos que passaram pela minha vida e que, infelizmente, não estão mais presentes. Já pela noite do mesmo dia, revi amigos de infância. O encontro foi no lar de uma de adorável pessoa que, somados a outras, fizeram do jantar uma solene descontração. 
Encontro de novos e velhos amigos
Pra mim, é um misto de nostalgia, saudade e reflexão. Nostalgia pelo encontro, saudade pelo desencontro e reflexão de como tudo passa num instante. A vida é feita de escolhas e somos reféns das consequências de cada escolha. Poderia encontrar motivos para reclamar, mas prefiro a graça da gratidão junto ao Criador de todas coisas. 
Bom... o tempo já passou e nem sequer notou que, a essa altura, o seu tempo por mim é grato e já acaba de ser preenchido com sua leitura.  


domingo, 29 de julho de 2012

A VOZ DA ALMA - segundo Fernando Pessoa

Incrível como Fernando Pessoa traduz fácil o difícil agir.














É fácil trocar as palavras, 
Difícil é interpretar os silêncios! 
É fácil caminhar lado a lado, 
Difícil é saber como se encontrar! 
É fácil beijar o rosto, 
Difícil é chegar ao coração! 
É fácil apertar as mãos, 
Difícil é reter o calor! 
É fácil sentir o amor, 
Difícil é conter sua torrente! 

Como é por dentro outra pessoa? 
Quem é que o saberá sonhar? 
A alma de outrem é outro universo 
Com que não há comunicação possível, 
Com que não há verdadeiro entendimento. 

Nada sabemos da alma 
Senão da nossa; 
As dos outros são olhares, 
São gestos, são palavras, 
Com a suposição 
De qualquer semelhança no fundo." 

(Fernando Pessoa)

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Encontro com José Hamilton Ribeiro


José Hamilton Ribeiro entre André Lossio e Simone Alauk

Assim como característica de contar em primeira pessoa, eu e minha colega, Simone Alauk, contaremos sobre a recompensa por entrevistar nossa maior fonte na publicação de uma reportagem sobre a Revista Realidade que, no caso, foi o jornalista José Hamilton Ribeiro. Uma entrevista que seria em nosso carro, durante um percurso de meia hora do bairro da Aclimação até o aeroporto internacional de Cumbica /Guarulhos-SP, acabou sendo de três horas num restaurante do próprio aeroporto. Tudo porque o voo, programado para 13h30, havia sido adiado para um horário noturno. 
Autor de diversos livros como o "Jornalistas, 37/97", que retratou os 60 anos do Sindicatos dos Jornalistas de São Paulo, José Hamilton foi muito atencioso conosco. De toda a formação que tivemos em jornalismo, aqueles instantes com ele foram de grande aprendizado profissional. Contou-nos sobre momentos bons e maus da vida, principalmente sobre a cobertura que fez na guerra do Vietnã para a "Realidade", que lhe custou a perda de uma perna ao pisar em uma mina. Disse que após o acidente teve um tempo que não queria falar sobre o episódio para não ficar remoendo, pois queria superar o trauma. Comentou que tinha consciência da fama de 15 dias pela situação de risco mas que não queria ser conhecido apenas por esse acidente de trabalho.

Reconhecido em diversos prêmios por seus trabalhos jornalísticos, Hamilton diz que a profissão de repórter tem seus riscos, tanto em um morro de uma favela, quanto em uma guerra do Vietnã. Ele enumera os motivos que levam o jornalista para obter a notícia em situações adversas: vaidade, espírito de aventura, ambição profissional e uma "pitada de falta de juízo". E complementa que, para ser jornalista, é preciso ter vocação, acreditar que o exercício da profissão traz sentido histórico onde o fato acontece. Que a verdadeira função do jornalismo é vencer tiranias, o preconceito, denunciar, compreender complexos sociais em uma sociedade livre. E é o jornalismo que geralmente denuncia antes de qualquer outra instituição.

Para ele, a Revista Realidade foi fruto de circunstâncias acontecidas na década de 1960 como, por exemplo, a pílula anticoncepcional, os Beatles, a valorização da sexualidade. Segundo ele, era um mundo de criatividades, crescente busca por questões existenciais que rompiam os tabus. Uma outra circunstância marcante foi a da ditadura militar. Zé Hamilton, como é mais conhecido, relata uma frase de seu amigo de trabalho 'Robert', ou seja, o então presidente da Editora Abril, Roberto Civitta: "nunca trabalhei numa equipe criativa como aquela", comenta.

Foi tão boa a conversa no restaurante que constatamos o motivo dele ser considerado "príncipe do jornalismo" por seu histórico profissional de coragem como repórter. Agradecidos pelo tempo que nos concedeu para a entrevista, nos despedimos do "Zé" Hamilton e nos dirigimos ao caixa do estacionamento do aeroporto. Só que, na saída, nos deparamos novamente com ele e o auxíliamos para colocar suas malas no ônibus da companhia aérea que o levaria ao aeroporto de Congonhas para o voo com destino à uma cidade de Minas Gerais.     

sábado, 16 de junho de 2012

Dona Aicê e a generosidade do meu primeiro banho



Outra vez, ao fazer uma reportagem sobre a extinta revista Realidade, o meu entrevistado, o fotojornalista Walter Firmo, instigou-me a fazer algo nunca antes feito: conhecer minha cidade de nascimento. Tudo porque, ao fim da entrevista, o escutei dizer que no dia seguinte estava indo a trabalho à Juazeiro do Norte, localizada no extremo sul do estado do Ceará. Ele ficou surpreso quando revelei não conhecer o lugar onde nasci e por ter vindo a São Paulo, no colo de minha mãe, sem registro, com apenas um mês de vida. Seu alerta foi convincente quando me disse: "um jornalista não pode contar histórias sem conhecer a origem da sua."

Ao visitar, o conselho do fotojornalista tinha razão: viver sem conhecer o passado é andar no escuro. Regressar com minha mãe ao lugar onde nasci fez clarear e costurar a linha do tempo da minha vida. Bares, restaurantes, balneários, bons encontros e colher depoimentos de pessoas que testemunharam meu nascimento é precioso para entender a minha própria história. 

De tudo o que aconteceu, durante minha estadia no sul do Ceará, conhecer a pessoa que me deu o primeiro banho foi emocionante, extremamente significativo. Essa personagem é a barbalhense, Maria Aicê da Silva Pereira, mais conhecida como "Dona Aicê", uma senhora de 75 anos com certas debilidades de saúde. Soube que ela estava ansiosa para reencontrar o frágil bebezinho que havia banhado há 31 anos. Dona Aicê me contou que depositou na banheira uma aliança de ouro, no intuito de desejar prosperidade. Confesso que a palavra mais precisa nesse encontro foi GRATIDÃO. O olhar de felicidade, por eu estar ao seu lado, me fez enxergar que a vida ainda se perpetua, quando é feita de generosidade. Fascínio pra mim.


‎"A gratidão, com certeza, é uma virtude do céu." Padre Cícero Romão Batista

Nove dias em Barbalha- CE


Barbalha, cidade onde fiquei hospedado durante 9 (nove) dias, faz parte do polo de desenvolvimento da região metropolitana do Cariri, Estado do Ceará.
Situada em uma estância hidromineral com mais de 30 fontes de águas naturais, a cidade é conhecida pelo investimento em saúde e pela famosa festa cultural do Pau da Bandeira.
Dentre as cidades brasileiras, Barbalha está entre as quatro cidades escolhidas pelo CapaCidades - Projeto piloto que surgiu do programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).
Esse projeto da ONU visa fortalecer as capacidades locais da sociedade civil, da gestão pública e do setor privado para promover uma gestão integrada em quatro olhares: governança (participação e comunicação social); intersetorialidade (circulação de soluções); gestão por resultado (alinhamento de percepções); e atuação em redes multiníveis (local, regional, nacional e internacional).
Barbalha decidiu, em primeiro lugar, consolidar a cidade como pólo de turismo cultural, ambiental e histórico. Para tal, planeja ações de capacitação de guias turísticos e de qualificação de profissionais da hotelaria e serviços turísticos, oficinas de artesanato e cordel, entre outras. A elaboração de projetos sociais, junto à capacitação de recursos, foi destacada como fortalecimento institucional necessário para o desenvolvimento  regional. A revisão do plano diretor foi considerada uma ação transversal a todas as demais previstas.


segunda-feira, 11 de junho de 2012

Festa de Santo Antonio - segundo Luíz Gonzaga


Igreja Nossa Senhora do Rosário - Barbalha-CE


A festa de Santo Antônio
Em Barbalha é de primeira
A cidade toda corre
Pra ver o pau da bandeira } bis
Olha quanta alegria, que beleza
A multidão faz fileira, hoje é dia
Vamos buscar o pau da bandeira
Todo mundo vai a pé
A cachaça na carroça
Só num bebe quem num quer
Só se houve o comentário
Lá na igreja do Rosário
Que a moça pra ser feliz
Reza-se lá na matriz
Meu Santo Antonio casamenteiro
Meu padroeiro, esperei o ano inteiro} bis

Nostalgia no sul do Ceará

Fascinante é conhecer e reconhecer suas próprias origens. 

Nasci na cidade de Juazeiro do Norte, região sul do estado do Ceará. Com apenas um mês de idade, fui levado por minha mãe para ser criado na cidade de São Paulo. Na "terra da garoa" fui registrado, batizado, formado, levando a vida como paulistano. Mas, em minhas documentações, não tinha como negar a origem Cearense.   
Em meio aos desafios, passaram-se três décadas para que, hoje, eu pudesse reconhecer e dizer que estou em nostalgia, pois estou de volta à minha cidade de nascimento e, a cada dia, entendo melhor a minha história. 

‎"A gratidão, com certeza, é uma virtude do céu." Padre Cícero Romão Batista



Chapada do Araripe - Crato CE



Rodovia  Estadual Barbalha-Crato - CE 386 - Crato
Eu e minha guerreira mãe no Balneáro do Caldas - Barbalha CE

Monumento dedicado ao Padre Cícero Romão Batista - Fundador da cidade de Juazeiro do Norte CE
Obra inaugurada em 1º de novembro de 1969


Dica de Músicas Instrumentais

AQUARELA DO BRASIL - Ari Barroso - MIDI Orquestra By Daniel Figueiredo
JINGLE DA 28ª CAMINHADA DA RESSURREIÇÃO - By André Lossio & Adriana Lossio
CÉU DE SANTO AMARO - RENNO PIANO SOLO
SET FIRE TO THE RAIN - Adele Instrumental
I LOOK TO YOU - Tribute to Whitney Houston - Piano von Norbert Lang
ONE MOMENT IN TIME - Guitarrista Stephen Peters - Tribute to Whitney Houston
EU NUNCA AMEI ALGUÉM COMO EU TE AMEI - Instrumental
ROLLING IN THE DEEP - Piano & Cello
WONDERFULL WORLD - Meet Joe Black Soundtrack
SOMEONE LIKE YOU - Instrumental Orquestral Best Quality
VIVA LA VIDA - 2 CELLOS - Luka Sulic & Stjepan Hauser
ORAÇÃO AO TEMPO - Instrumental Caetano Veloso